Início

Os poderes locais e a educação. Das margens do sistema para o centro das políticas

(...) concluindo, o que está hoje em debate na sociedade portuguesa são os meios e o modo de reconduzir a descentralização aos seus princípios constitucionais, de corrigir a perversa divisão de tarefas educativas e formativas que se foi cristalizando no processo de equilíbrio entre centralização e desresponsabilização, de esclarecer a quem compete o quê e de (re)ganhar a qualidade, a coesão e a confiança social da escola pública.

A educação pública deve continuar a ser o principal instrumento do desenvolvimento civilizacional. Assim, combater a dualização educativa, realinhar a descentralização pelos objectivos constitucionais, reverter os mega-agrupamentos para a escala humana, apoiar as escolas nos seus projectos e planos e redignificar o papel que os municípios e as suas associações pretendem para si próprios, constituem os desafios actuais que, se conseguidos, melhor defendem as conquistas educativas da democracia.

​Jorge Martins

/files/2017-12/os-poderes-locias-e-a-educa-o-jorge-martins.pdf


Cidadania, renovados desafos

(...) A cidadania, subsumida nas necessidades de relacionamento, supõe uma educação que ultrapassa os muros das escolas, convoca as famílias e todas as estruturas comunitárias, onde educar para a cidadania é construir futuro para a plena realização individual e coletiva dos cidadãos, sendo que a realização de um indivíduo não deve tirar realização ao(s) outro(s) ...
/files/2017-12/artigo-cidadania-renovados-desafios-revista-diversidades.pdf

Jacinto Serrão - Observatório de Educação da Região Autónoma da Madeira e Centro de Estudos Interdisciplinares em Educação e Desenvolvimento da Universidade Lusófona
 


Desigualdades educativas en la sociedad digital

La digitalización fue recibida en el mundo educativo con alarma por el riesgo de que trajera nuevas desigualdades, la temida brecha digital. La evolución en el país pionero, Estados Unidos, trazable por medio de los Pew Internet Reports entre otros, indica que, aun persistiendo desigualdades, la brecha en el acceso se ha cerrado, pues por encima de barreras de clase, género, etnia, hábitat o ingresos se ha alcanzado un nivel de saturación, si bien hay desigualdades en la calidad de ese acceso. Lo mismo en España, donde doce años de datos del INE sobre la difusión de las tecnologías de la información y la comunicación, en particular sobre el acceso a ordenadores y a la red -tanto de hogares como de individuos, en especial aquellos entre 10 y 15 años- y sobre la posesión de móviles, indican asimismo el rápido cierre de la brecha en el acceso, aunque persisten desigualdades ubicuas y pequeñas bolsas de exclusión. No sucede lo mismo con los usos, donde se manifiestan con más fuerza las divisorias sociales habituales (clase, género, etnia, ocupación, situación laboral, nivel de renta…), aunque de distinta manera y con distinta fuerza, y donde lo hace sobre todo la desigualdad asociada a la edad (decreciente esta) y al nivel de estudios (estable o creciente). Esta brecha de segundo orden se muestra más persistente, no es contrarrestada por la acción de la escuela y puede verse reforzada por ella al asociarse a las desigualdades entre centros y entre las redes privada y pública.

/files/2017-12/desiguldades-sociais-e-a-sociedade-digital-enguita.pdf

Mariano Fernández Enguita


EDUCAÇÃO 2016: TRANSIÇÃO E EXPECTATIVAS

Relatório do Observatório das Políticas de Educação, Formação e Ciência
(OP.EDU) | 2016

PDF


A morte das baleias

Há um fenómeno, bastante regular e frequente e cujas causas científicas rigorosas são desconhecidas, que se traduz por mortes colectivas de baleias que dão à costa e aí desistem da vida.

uanto tempo faltará para que, sem esperança, tendo que deixar as casas que alugamos, perdendo o direito ao trabalho, tendo que cortar no que dá gosto à vida e no essencial, nos sintamos como as baleias?

https://www.publico.pt/2013/09/18/jornal/a-morte-das-baleias-27109252

Ana Benavente




Nos dias 29 e 30 de Abril decorreu o Encontro Nacional da APCEP no Pavilhão do Conhecimento, com o tema "Educação Permanente em Tempo de Mudança: saber para transformar". Este encontro contou com a presença da Professora Doutora Ana Benavente que participou no painel "Educação Permanente, Concepções e Políticas". A Investigadora realçou a importância da criação de parcerias com o Ministério e que "as boas práticas se deem a conhecer". Falou sobre as desiguladades escolares, a exclusão social, a educação para todas as idades e a garantia para a aprendizagem.


A fraude académica cometida por alunos
Projeto desenvolvido no âmbito do Op.Edu


"Fraude e plágio na universidade. A urgência de uma cultura de integridade no Ensino Superior"

Coordenação: Filipe Almeida, Ana Seixas, Paulo Gama, Paulo Peixoto e Denise Esteves

"A fraude académica no Ensino Superior em Portugal. Um estudo sobre a ética dos portugueses"

Filipe Almeida, Ana Seixas, Paulo Gama, Paulo Peixoto

Veja algumas notícias sobre estas obras

Estudo sobre fraude académica em livro

Cábulas no Ensino Superior

Livros sobre fraude académica

Maioria dos alunos do superior já usou cábulas

Professores universitários não estão predispostos a denunciar fraude académica

Maioria dos alunos universitários acha normal (e até aceitável) copiar num exame

Docentes calam denúncias

Alunos ricos são quem mais copia

Docentes estão pouco empenhados na denúncia de fraude académica

Docentes preferem não denunciar fraudes

Alunos ricos são os que copiam mais




Portugal lidera aumento do peso das despesas das famílias no superior




O Conselho Nacional de Educação retoma a publicação das atas dos seminários que organizou em 2014 e 2015.


Últimos artigos

Desigualdades educativas en la sociedad digital

La digitalización fue recibida en el mundo educativo con alarma por el riesgo de que trajera nuevas desigualdades, la temida brecha digital. La evolución en el país pionero, Estados Unidos, trazable por medio de los Pew Internet Reports entre otros, indica que, aun persistiendo desigualdades, la brecha en el acceso se ha cerrado, pues por encima de barreras de clase, género, etnia, hábitat o ingresos se ha alcanzado un nivel de saturación, si bien hay desigualdades en la calidad de ese acceso. Lo mismo en España, donde doce años de datos del INE sobre la difusión de las tecnologías de la información y la comunicación, en particular sobre el acceso a ordenadores y a la red -tanto de hogares como de individuos, en especial aquellos entre 10 y 15 años- y sobre la posesión de móviles, indican asimismo el rápido cierre de la brecha en el acceso, aunque persisten desigualdades ubicuas y pequeñas bolsas de exclusión. No sucede lo mismo con los usos, donde se manifiestan con más fuerza las divisorias sociales habituales (clase, género, etnia, ocupación, situación laboral, nivel de renta…), aunque de distinta manera y con distinta fuerza, y donde lo hace sobre todo la desigualdad asociada a la edad (decreciente esta) y al nivel de estudios (estable o creciente). Esta brecha de segundo orden se muestra más persistente, no es contrarrestada por la acción de la escuela y puede verse reforzada por ella al asociarse a las desigualdades entre centros y entre las redes privada y pública.

/files/2017-12/desiguldades-sociais-e-a-sociedade-digital-enguita.pdf

Mariano Fernández Enguita


Cidadania, renovados desafos


(...) A cidadania, subsumida nas necessidades de relacionamento, supõe uma educação que ultrapassa os muros das escolas, convoca as
famílias e todas as estruturas comunitárias, onde educar para a cidadania é construir futuro para a plena realização individual e coletiva dos cidadãos, sendo que a realização de um indivíduo não deve tirar realização ao(s) outro(s)....

/files/2017-12/artigo-cidadania-renovados-desafios-revista-diversidades.pdf

Jacinto Serrão - Observatório de Educação da Região Autónoma da Madeira e Centro de Estudos Interdisciplinares em Educação e Desenvolvimento da Universidade Lusófona


A morte das baleias

Há um fenómeno, bastante regular e frequente e cujas causas científicas rigorosas são desconhecidas, que se traduz por mortes colectivas de baleias que dão à costa e aí desistem da vida.

Quanto tempo faltará para que, sem esperança, tendo que deixar as casas que alugamos, perdendo o direito ao trabalho, tendo que cortar no que dá gosto à vida e no essencial, nos sintamos como as baleias?

O último acontecimento, e cito a Agencia France Press, deu-se na Costa da Patagónia, já em 2013 (4 de Junho): "Buenos Aires - Uma mortalidade-recorde de baleias-francas foi registada na costa atlântica da Patagónia argentina (Sul), o índice mais elevado já registado de mortes desta espécie no mundo, informou a ONG Instituto de Conservação de Baleias (ICB) esta terça-feira." E, acrescenta a notícia, o fenómeno acontece praticamente todos os anos. Embora as causas sejam desconhecidas, elaboram-se várias hipóteses: os ataques de gaivotas, os encalhamentos e a exposição ao sol.

Ana Benavente

https://www.publico.pt/2013/09/18/jornal/a-morte-das-baleias-27109252


I CONFERÊNCIA IBÉRICA DE SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO

I CONFERÊNCIA IBÉRICA DE SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO
Crise, Austeridade e a (des) construção da Escola democrática